Tudo bem!

"Tou pra ver astral que não muda
Domingo que não dá samba,
Nem ladeira que eu não suba!"

Pois é. Basta começar a rotina de trabalho para o astral subir, e o riso voltar! Quem foi mesmo que inventou as férias tão longas, me diz....

Semana Pedagógica

Oficialmente a minha Semana Pedagógica acabou ao meio-dia de ontem. Para mim ainda continua porque fiquei responsável em gravar os DVDs para os professores. Devo levar o final de semana todo gravando (e isso NÃO foi uma reclamação). Estive envolvida em tudo relacionado a esta semana pedagógica, onde fiz questão de não deixar acontecer nada do que vi no ano passado (quando cheguei justamente para assistir a Semana Pedagógica e, de tão assustada com o que vi, só queria saber em voltar). Esse ano, arregacei as mangas e tomei para mim esta responsabilidade, me colocando sempre no grupo organizador. 


Duas coisas excepcionais aconteceram nesta semana:
 1 - O depoimento dos professores. De forma unânime, declararam que esta foi uma semana realmente digna do nome. Um dos professores chegou a dizer que participa de semanas pedagógicas ha mais de 20 anos, mas que esta foi a primeira realmente fazer jus ao nome. 
 2 - A participação da única Professora convidada da semana, Jocely de Deus. Professora de inglês na UFC, ela deu um show! Falou sobre "A auto-observação" e deixou todos os professores sem piscar os olhos. Me provou que existe sim vida inteligente aqui em Fortaleza.

Não fico vaidosa com esse sucesso. É apenas a boa sensação do dever cumprico. Fico tranquila em saber que, lá de cima, São Marconi está vendo que valeu a pena trocar tudo e investir na educação. Só gostaria mesmo que o Espaço Aberto fosse em outro lugar do país. Mas nada é perfeito mesmo.

Esqueça Paris

A foto acima é minha. Eu tirei. Esta noite choveu um pouco, mas valeu a pena. Um vento forte e frio. Mais frio ainda se você está de moto. Faz de conta que você está em Paris, curtindo a cidade luz, com alguma grana do bolso. O que você faz? Bobagem, é claro! Mas faz porque quer... Faz consciente que fez, mas sem culpa. Só sabendo que é bobagem. Mas uma bobagem que lhe faz rir muuuuito, que faz perder o sono...

E estar em Paris é meio que "cena de cinema". E eu fiz todos os clichês possíveis... Afinal, se é para fazer bobagem, vamos caprichar né? Valeu andar de moto e correr da chuva, ficar tremendo de frio, escondidos, comer porcaria de 1 euro, pegar alguns caminhos errados (mas se perder em Paris é praticamente uma ordem! Não tem sensação melhor do que se perder e dar de cara com algum lugar incrível! Coisas de Paris - e Londres também...)

Mas é isso. E como um raio não atinge o mesmo lugar duas vezes, você fazer como manda aquele filme com Billy Crystal: vou esquecer Paris. Nunca mais será como foi.