115. Paz


Não consigo ver imagem mais bonita.

PS - Legenda da foto: Amelie e Juno agarradinhas uma na outra por causa do frio.

114. Tanto faz...

Na porta do meu quarto:


Na porta do seu quarto:


Ou ao contrário... Tanto faz...

113. Reconvexo

"Eu sou a chuva que lança a areia no Saara
Sobre os automóveis de Roma
Eu sou a sereia que dança, a destemida Iara
Água e folha da Amazônia
Eu sou a sombra da voz da matriarca da Roma Negra
Você não me pega, você nem chega a me ver
Meu som te cega, careta, quem é você?
Que não sentiu o suingue de Henri Salvador
Que não seguiu o Olodum balançando o Pelô
E que não riu com a risada de Andy Warhol
Que não, que não, e nem disse que não
Eu sou o preto norte-americano forte com um brinco de ouro na orelha
Eu sou a flor da primeira música,
A mais velha e mas nova espada e seu corte
Eu sou o cheiro dos livros desesperados, sou Gitá gogoya
Seu olho me olha, mas não me pode alcançar
Não tenho escolha, careta, vou descartar
Quem não rezou a novena de Dona Canô
Quem não seguiu o mendigo Joãozinho Beija-Flor
Quem não amou a elegância sutil de Bobô
Quem não é recôncavo e nem pode ser reconvexo"

Porque hoje eu sei que sou. E que outros poucos são! Cada dia menos!

112. Respondendo

"Pois francamente, meu amor
Meu ambiente é o que se instaura de repente
Onde quer que chegue, só por eu chegar
Como pessoa soberana nesse mundo
Eu vou fundo na existência
E para nossa convivência
Você também tem que saber se inventar"

Esse é minha alma gêmea falando! Ou melhor: eu ouvindo falar!

E eu só posso jurar que vou tentar me inventar!

Beijos

111. Paris

Acabei de ler um livro que ganhei de aniversário. Fiquei muito feliz em descobrir que, afinal, não sou um ser tão estranho assim. Já estive em Paris algumas vezes. Só visitei a Torre Eiffel duas vezes. E não vejo a menor graça nela... Não me digam que é "o símbolo de Paris", porque te respondo com Louvre e/ou Champs Elysées (sendo curta...)

Se você tem uma só oportunidade de ir a Paris, a Torre é, sinceramente, o último lugar a ir. Ou se você resolveu pegar um ônibus, vai poder vê-la sem perder tempo passando por lá. E vale lembra que se seu Hotel ficar nas proximidades, vai porder vê-la da janela. E é isso que a autora diz no livro que mencionei. Mas tudo bem se você quer ir. Vai pagar para subir, e ver uma vista que nem chega aos pés da vista do alto do Arco do Triunfo.

Concessões são feitas. Voltei lá porque estava com um amigo que "queria" conhecer. Mas não subi desta segunda vez. Ele foi. E se arrependeu de não ter me ouvido.

Ce's la vie, mon cheri!

110. Tem coisas que nem o tempo cura


"Aí, diz o meu coração:
- Que prazer tem bater, se ele não vai ouvir?
Aí, minha boca me diz:
- Que prazer tem sorri, se ele não me sorri também?"

109. Dimenti

Se você mora em Salvador e não é alienado, já assistiu alguma coisa desse grupo. E foi com muita surpresa que me deparei, net afora, com esse manifesto. Só deu para rir muuuuuito. Quem fala essas bobagens é quem, diferentemente do Dimenti, não tem trabalho a mostrar.

Mas a resposta do grupo (coloquei logo depois do manifesto), é tão inteligente quanto qualquer montagem deles.

CARTA-MANIFESTO À FUNCEB (Fundação Cultural do Estado da Bahia)

Venho através desta, manifestar a minha indignação e o meu incômodo diante dos resultados dos Editais dessa referida Fundação. No caso aqui, ao primeiro resultado do Edital Yanka Rudzka.

Ao chegar na sede dessa fundação no último dia de inscrição para os Editais Culturais 2008, me deparei com dezenas de artistas, atores, dançarinos, diretores, sentados no chão, espalhados nas escadarias, recostados na parede… todos ali, aos montes, na esperança da mísera migalha da Fundação Cultural… E pensei, meu Deus, como tem artista nessa cidade querendo trabalhar! Como tem gente querendo produzir, fazer a cultura dessa cidade acontecer! Mas não há espaço, não há incentivos, e os poucos existentes, atraem centenas de artistas, todos juntos por esse desejo. São dezenas de atores, diretores, professores que formam na escola de teatro, de dança, de belas artes, mas onde estão eles? O que fazem pra ganhar a vida? De poucos se ouve falar… Muitos assumem outra profissão, outro emprego, outra função às vezes bem distante de sua área, por falta de espaço e incentivo para viver da arte de forma digna nessa cidade.

Bom, voltando à FUNCEB, ao ver o resultado do Edital de montagem de dança, Yanka Rudzka, fiquei estarrecido! Hoje não se seleciona projetos pela qualidade artística, mas sim, pela qualidade técnica do projeto. E eu me pergunto, artista tem que saber escrever projetos pra edital? Um edital que institui por exemplo, um prêmio chamado Manoel Lopes Pontes, prêmio de montagem de teatro, onde escolhe quatro selecionados no valor de R$ 30.000,00 ( trinta mil reais) 4 montagens, premia o DIMENTI com R$ 100.000,00 ( cem mil reais) Isso mesmo, 100 mil reais!!! E eu me pergunto, numa cidade tão pobre de incentivos à fomentação cultural, por que não divide esses cem mil reais por mais 3 montagens de 30.000.000? Sim, observem que trinta mil reais é uma pouca vergonha em se tratando de uma montagem de teatro, mas diante dos valores dos prêmios de montagem, não é uma afronta que cem mil reais se concentre na mão de tão pouca gente? E outra pergunta, por que o DIMENTI virou o queridinho da FUNCEB? É sempre uma carta marcada os resultados, temos sempre a certeza de que o DIMENTI estará lá. Aí eu me pergunto, é porque o DIMENTI sabe mais fazer projetos do que teatro/dança? Ou por que o nome DIMENTI tem a ver com demência? Sim, por que demência é a cara da fundação que subestima a capacidade de nós artistas de avaliarmos as mutretas que rolam por trás Desses editais. Veja por exemplo outro fato no resultado desse último edital de dança: O espetáculo em processo Estudo Para Cabide, que se apresentou no quarta que dança, tem até 8 minutos. Veja só, esse espetáculo em processo, no resultado do Edital de montagem de dança /2008, ficou na suplência à espera de um prêmio de R$ 60.000,00. Sim, e eu me pergunto, e os tantos outros projetos de montagem de dança que já estão prontos, ou que pelo menos não tem apenas 8 minutos de duração, por que não ficaram na suplência? Será que é porque o nosso amigo Jorge Oliveira é amiguinho de Isabela Silveira, funcionária da FUNCEB? Suspeito, não?

Pois é, nessa terra onde se premia um espetáculo chamado A Bahia da Magia, ou um Dente Chamado Bico, é preciso realmente aprender a escrever projetos ou ter amigos na FUNCEB, sim, amigos fazem muita diferença na hora de dividir por baixo do pano os recursos públicos!!!

FABIANA EVANGELISTA ( formada em dança pela UFBA)


Resposta do DIMENTI


Breves considerações de quem trabalha muito

Lendo a sua frágil carta, é possível imaginar o projeto que você inscreveu no edital.

Se a sua ingênua hipótese da “carta marcada” na Bahia fizesse algum sentido, haveria muitas outras cartas marcadas espalhadas por aí em prol do Dimenti: em São Paulo, no Rio de Janeiro, em Pernambuco, no Ceará, no Piauí e, mais recentemente, na Rússia onde o Dimenti exibirá um dos seus audiovisuais.

Se sua falácia tivesse alguma consistência, haveria “cartas marcadas” entre os diferentes integrantes das variadas comissões de seleção indicados pela própria classe da dança através do fórum (que você nunca freqüentou).

Para evitar as informações ralinhas das quais você se valeu, o Dimenti vai realizar novamente em 2008 uma avaliação pública sobre as atividades do grupo e produtora cultural. Apareça.

O ATÍDOTO PARA A “SINDROME DA CARTA MARCADA” É ESTUDO E MUITO TRABALHO!

Dimenti"