My life would suck without you!


Fico p. da vida as vezes com a atitude de algumas pessoas. Meus amigos são meus amigos. Quando eu coloco uma pessoa nessa posição, ele tem que entender o que é isso. Mas entender de verdade! Um exemplo do que me tirou do sério essa semana: um amigo estava na minha casa e abriu a geladeira para pegar não sei o que. Depois disso, me pediu desculpas, dizendo que não fazia aquilo na casa de ninguém, que esqueceu de me pedir licença, blá, blá, blá... Perguntei a ele (com toda a calma que consegui reunir naquela hora) se ele pedia licença toda vez que ia abrir a geladeira na casa dele...

Eu abri mão de várias coisas na minha vida em detrimento aos meus amigos. E vou continuar fazendo isso, já que foi assim que resolvi viver a minha vida. Algumas pessoas a gente conhece, gosta e coloca em "estágio probatório", para ver se realmente serão amigos pra vida toda ou se serão apenas uma pessoa que você gosta e admira muito. Esse meu amigo, de boa, já saiu do estágio probatório. Tá certo que o estágio dele foi muito rápido, mas quem mandou ter a porra da sinestria? Mas, o fato é que eu me aborreci. O que ele quer que eu faça mesmo? Dê a chave da casa? Do carro? As minhas coisas são deles! Se eu não puder dividir as minhas coisas com os meus amigos, de que adianta mesmo tê-las?

Bom, que ele faça o que achar melhor... Tem duas opções: continuar pedindo permissão e entrar para a categoria de "gente que eu gosto", ou se instalar de vez no lugar que já é dele. Mas ele não tem obrigação nenhuma de escolher. Pode simplesmente deixar de ser, afinal, as pessoas são livres.

Mais uma vez o céu...

O texto é magnífico. Fala de paixão. Meu coração é movido a paixão. Aliás, eu também. Aliás, todos nós, não é Eduardo?

 

Só um update - Como eu disse, esse texto fala de paixão. Eu sou apaixonada por minha profissão. Amo demais! Os meus dias são sempre voltados para ela. Trabalho naturalmente a qualquer hora do dia, da madrugada... Não importa. Minha profissão é a minha vida. Tenho muito orgulho de ter essa paixão. E é essa paixão tão forte que me faz olhar pra trás e ver tudo o que eu deixei quando sai do direito, e não ter nenhuma saudade, nem mesmo do salário bem diferente do de hoje. E, acima de tudo, é essa paixão que me faz seguir em frente... Mesmo que meu pai não esteja aqui... Porque se na maior parte do tempo eu penso "que prazer tem bater (o coração) se ele não vai ouvir", por outro lado, tenho sempre um rosto amigo que vejo crescer... Isso me faz bem... Isso me ajuda a viver...

Amizade


É possível existir amizade entre um homem e uma mulher? Claro que sim! Mas qualquer coisa nesse mundo fica melhor com um beijo na boca!

PRONTO! Falei!

Vancouver


Como é que eu viajo por três semanas e não registro nada aqui??? Embora eu já esteja planejando as próximas (Sampa já está fechada; organizando Fortaleza - casório da Loris - , e Paris (básico!) no fim do ano), preciso pelo menos registrar essa passagem em Vancouver. A foto "oficial" dos pés já dá pra demonstrar que o negócio foi complicado. E animado...

Fui com 11 adolescentes, incluindo minha sobrinha Lais. Vamos combinar: sem eles, essa viagem teria sido picolé de chuchu, como tão bem definiu meu Dindo Lindo! Mas a delícia de participar da vida deles foi impagável! Até saí sem eles, mas devo confessar que tudo com eles tinham uma cor e sabor diferente. O mundo adolescente é muito mais bonito. Muito mais saudável. Muito mais delicioso. 

E delicioso foi conhecer melhor algumas figurinhas... Uma menina louca, louca de pedra, mas que em vários momentos, demonstrava uma segurança e uma determinação que fez ela se destacar em absolutamente tudo em que se metia. Um senso de liderança que muito me surpreendeu, mas que também me deixou muito feliz. 

Foram dias mágicos... As vezes, eu realmente me esquecia que eu não era adolescente também. Tive algumas atitudes de adolescente, provavelmente por estar tão absorta dentro daquele universo. Ou talvez por ter mesmo alma de adolescente, como já me disse uma vez uma psicóloga amiga.

O  melhor de Vancouver, entretanto, foi ter ganho um grande amigo. De verdade, começo a acreditar que eu gostaria de ganhar mais do que isso, mas ele não está preparado para o que eu gostaria que ele fosse (calma Momô! Não tou falando de namorado nem de marido, viu?)  Talvez essa amizade de hoje nem mais exista daqui há um ano... Talvez, daqui há um ano, ele seja só alguém com quem foi muito gostoso trocar mensagens de boa noite (todas as noites). Não importa o que ele seja daqui há um ano. Importa que eu o conheci, que hoje ele faz parte da minha história. Torcendo que daqui a um ano ele não seja só história...