99. Morram de inveja!

Pois é! Divinha quem vai abrir o show de Madonna no Brasil????? Uma baiana! A neguinha mais branquinha do Brasil, como ela se intitula! Duas rainhas! E quem quiser que conteste!

Aqui na Bahia, Dani faz show DE GRAÇA, no Farol da Barra... Privilégios... E se você acha que é aquela muvuca, aquele empurra-empurra e que a genet não consegue ver nada, é porque nunca esteve por lá... Lembro que fui a gravação de um DVD dela lá no Farol, com Allan e outros amigos. Pense em um negócio calmo! É.. Só se vê na Bahia!

Mas eu faço o que se essa terra é abençoada???

PS - E tem um amigo meu que vai para o Canadá para ver o show da Madona! KKKKK Vai perder o mega show de abertura... Adoro ele, mas que ele é atrapalhado, isso ele é!

98. Don`t give up!

Tava conversando com um amigo sobre decisões que não tomamos. Mas no fundo, quando não decidimos, já não estamos fazendo a nossa escolha? Chegamos a conclusão que o que importa é decidir prioridades, o que já é bastante complicado. Depois, perssistirmos em conseguir realizar essa prioridade. O resto tem que ficar para trás, por mais doloroso que isso seja.

Para definir essa prioridade e seguir em frente com ela, temos que deixar o cérebro mandar. Esquecer completamente o coração. A emoção tem que ficar absolutamente fora de qualquer decisão. Os olhos do coração são cegos às reais necessidades. Conseguimos eleger projetos prioritários. O meu a um prazo curtíssimo precisa ser realizado, mas já vi que vou conseguir. O dele, o prazo é um pouco maior, mas a determinação dele é maior do que a minha, sem dúvida.

Continuar escolhendo e cumprindo metas e prioridades, até que o coração seja uma prioridade também (por que não?). O importante é não desistir. O importante é acreditar. Ou pelo menos querer acreditar.

Eu acredito.

Só não sei se consigo não desistir.

Ainda bem que meu anjo preto não deixa.

Obrigado.

PS -Meu segundo projeto eu comecei hoje. Será que eu consigo?

PS 2 - Arquivo X que está nas telas é filme meio que "intimista"só mesmo para fãs da série (tipo assim: EU!). Gostei, mas reconhecço que não é um excelente filme! E a imagem de todos os cartazes nem existe no filme! Mulder sequer segura um arma durante toda a película!
PS3 - Acima o cartaz que está na sala de mulder desde o episódio piloto e que dá nome a este segundo longa. (Lalá quem me lembrou! Valeu!)

97. Ao lôro número 1.

Deu uma saudade danada de você. Quando você voltar me avisa, que vou levar o seu presente aí abaixo pessoalmente. Beijos mil





96. O Coringa

Não pensava em escrever sobre Batman, mas a minha querida aluna Isadora, se empolgou tanto com o filme e deixou mil e uma recomendações aqui mesmo para eu ir ver o dito cujo. Fui. Gostei. Quando estava lendo os meus blogs prediletos, li o post dela sobre o filme. Deixei o meu comentário, mas ele ficou tão grande, que resolvi publicar aqui já que expressa minha opinião sobre o filme.

Quem quiser entender melhor a minha resposta, pode ir no blog dela primeiro e depois ler aqui.

"Well, well, well… Vamos devagar com o andor… Acho que você se apaixonou pelo roteiro do filme e pelo Coringa. Abstrai porque é iMPOSSÏVEL se apaixonar por um Batman feito por Christian Bale.

Por outro lado, realmente Heath Ledger está, digamos, assustador! Gostei bastante, mas o filme é muuuuuuuito longo. A sensação que eu tive é que eles TINHAM que usar TODAS as cenas que foram filmadas com Heathe, então pode deixar o filme beeeem logo! Não terminaria nunca! Mas se sustenta o tempo todo, e isso é fato! É diversão pura, mesmo para mim que nunca fui muito fã do mamífero voador.

E, tipo assim, nesse seu “rol de super heróis terráqueos”, melhores do que Batman eu tenho “A mulher maravilha”, e “Homem de Ferro” (bom, dois que eu consigo lembrar agora que são humanos tão simplesmente. O que os torna especiais e capazes de voar (por exemplo) são gadgets criados para ele. Pelo menos no caso de Tony Clark, ele mesmo cria seus “brinquedinhos”….)

O filme é realmente bom, mas (quase tudo na vida tem um MAS para complicar), Tim Burton se meteu a fazer isso em 1989. E quando ele faz, ELE FAZ! O estilo dele é muito marcante e, para mim, muito mais divertido. Não desmerece (em absoluto) o trabalho de Nolan, mas falta um “que”, um “it”, uma coisinha especial que eu não sei bem definir (Allan chamaria de “savoir fair”….) São estilos diferentes, eu sei, mas eu prefiro Tim.

O Coringa é um caso a parte. São diferentes demais! O de Heath Ledger quer realmente ASSUSTAR. E consegue! Não gosto do fato de que se explica o surgimento do “Duas Caras” masn fica brincando o tempo todo e nunca esclarece o porque do surgimento do Coringa. Tudo bem, eu sei que não é essencial, mas seria bem legal não é? Ele realmente pode povoar meus pesadelos hoje a noite… Já o Coringa de Nicholson é mais leve. Quer assustar (e assusta), mas de um jeito diferente… Assusta por causa da sua insanidade! De seu ar louco! Enquanto Heath é cruel, Nicholson é INSANO! Mas os dois são LOUCOS! Gostei demais dos dois. Aliás, para mim, os dois filmes poderiam se chamar facilmente O CORINGA pois, nos dois casos, eles são infinitamente superiores ao Batman, e você chega até a torcer por eles!

Me incomoda um pouco, ainda, a quantidade de vilões que PRECISA aparecer em filmes de super heróis. Até parece que eles serão mais ou menos fracos de acordo com o número de vilões que enfrenta. No caso de Batman, tinha alguma importância a aparição do “Espantalho”? Claro que não! Até mesmo o “Duas Caras” poderia ter sido deixado para um próximo, já que o Coringa é realmente perfeito. Mas eu até consigo entender o “Duas Caras” no contexto geral. Ficou bom. Mas algém aí me manda um luz sobre o “Espantalho”?

Beijos e acho que falei demais, né?

PS - Lembrei ainda de “Zorro”! Rss :)"

95. It`s a kind of magic


Não sei por onde começar. Talvez seja melhor começar colocando a culpa em Isa!!! Foi ela quem me contou que a Americanas estava com promoção de DVD. E eu entrei lá, assim, como quem não quer nada... Só mesmo para dar um "olhadinha"... Quem me conhece sabe que eu não sai de lá com menos de 4 DVDs...

Dentro da minha compulsão, comprei um filme que eu procurava há muuuuuuito tempo, chamado "Highlander - O guerreiro imortal", filmaço de 1986. Não espere muito dos efeitos especiais. Apesar de não serem "um desastre", também não são lá essas coisas todas, mas esse é o único ponto fraco do filme. De resto, é filme para ninguém colocar defeito! É assim: como um toque mágica e você não consegue se mexer da cadeira! (pois é Dr. Allan! Eu não sai desta vez nem para buscar água! Creia!) Hipnotizante! É aquele tipo de filme, onde a história é tão bem contada que pouco importa o fim. O caminho até lá é o que importa.

Com um título desses (coisas dos tradutores brasileiros, que eu não entendo porque acabam com a história do filme logo no título...) a gente já sabe que o mocinho do filme não vai morrer, pois é imortal. Ele é, tipo assim, um vampiro escocês. Das terras altas da Escócia (daí o título original do filme, que não estraga a surpresa de ninguém!) E com o mesmo mistério sedutor de qualquer vampiro. Talvez por isso eu tenha gostado tanto dele. No papel título, temos Christopher Lambert que dá show! Outro que está no filme é o Sean Connery (antes de virar Sir). E eu preciso falar dele?

A trilha do Queen é excepcional! Como quase tudo que eles faziam! Embalam o filme de tal forma que vira um personagem a mais. Cena clássica é quando o MacLeod (personagem de Lambert), utiliza a frase que é o título do album do Queen lançado naquele ano - e título deste post - , e que contém ainda as outras faixas do filme. Para mim, o melhor album deles. E a cena com "Who wants to live forever" é de deixar qualquer um sem palavras - e no meu caso, pense na choradeira.... E é totalmente imperdível a versão de Freddy Mercury para "New York, New York"! Totalmente ELE, ou seja: não tem como imitar jamais! E não tem no CD não! Tem que ver o filme para ouvir!

Já teve mais 4 continuações, mas podem esquecer! A segunda é tão ruim, mas tão ruim mesmo que você pode ignorar completamente o segundo que não interfere no terceiro. Aliás, se eu bem me lembro, na época do lançamento nos cinemas, os cartazes diziam algo tipo "esqueça o você viu no segundo filme!".

Paisagens. Isso é outro ponto marcante do filme! Desde que eu assisti pela primeira vez, fiquei louca para conhecer as highlands da Escócia. Fui. E é tão lindo quando a gente pode saborear no filme. E volto lá um dia. Não dá mesmo para descrever! É um fascinio que dá até para perder o ar!

Mas o DVD tem um problema grande: não existe a opção de assistir sem legendas e as legendas em português são terríveis! Cheias de erro. Melhor colocar logo em coreano!

Acabei de assistir e juro que tou com um comichão para rever algumas cenas. Talvez para tentar responder a pergunta: Who wants to live forever?

PS - Isa, além desse rolaram: "Trilogia Resident Evil", "A lenda do cavaleiro sem cabeça", e o especial duplo de "Eu sou a lenda". Se quiser as cópias de segurança, grita, viu?

Trilha da noite - Queen! E bem alto, afinal, neste mesmo CD tem "Friends will be friends."

PS 2 - O vídeo abaixo tem a cena do "It`s a kind of magic" logo no inicio.


94. Caminhar

Sempre tive vontade de escrever um post endereçado a um amigo que um dia escreveu no blog dele que a mulher faz aquele "toc-toc" quando caminha quando o sapato está sem aquele negócio chamado "capa fixa". Pobre dele! Mal sabe que o falta a mulher que falou isso a ele é a elegância no caminhar... Aliás, vamos combinar, acho que falta outras coisas, mas isso é uma outra conversa, até porque ela (e eu a conheço) é uma pessoa extremamente simpática. Mas, definitivamente, elegância é uma coisa que não faz parte do vocabulário dela.

E é algo tão simples! Basta você colocar o peso do corpo na planta d0 pé e nunca no calcanhar.

Mas, se mesmo assim, você não nasceu com a elegância no seu DNA, pode tentar um truque que ajuda (e muito) a ir praticando até chegar na perfeição: anda para trás. Viu como você automaticamente coloca o peso do corpo na planta do pé? Então agora é só andar para frente!

Eu gosto de salto alto porque sou baixinha, mas o que eu mais gosto mesmo é andar descalça. Não consigo entenderq uem chega em casa e coloca uma sandália. Se eu pudesse, nunca colocava saparto. Na escola. sempre procuro ir com algum sapato que me permita tirar rapidamente para poder ficar descalça.

Eu até consigo entender a compulsão de determinadas mulheres que compram sapatos sem parar. Não critico. O importante é fazer com a grana da gente o que nos dá prazer (estão aí meus DVDs que não me deixam mentir). Mas muito melhor é não achar sapatos e caminhar na praia, no mundo! Por isso eu gostava tanto de ver Luis Caldas cantando descalso. Nem era marketing de cantor não. Era prazer!

93. O homem dos meus sonhos

De tanto, mas de tanto idealizar, começei a achar que o homem dos meus sonhos só existisse mesmo lá - nos meus sonhos. Mas sabe que o danadinho existe?

Ele é tranquilo, bem humorado, paciente, sorridente, malhado (pelo menos ele gosta de esportes...), bonito na medida certa (se fosse muito bonito, o mulherio fica até agourando, não é?) Adora cinema e Star Trek. Cozinha bem (quando quer, é óbvio!) Embora eu peça (incessantemente) ele em casamento, ele me conhece o suficiente para saber que se ele aceitar, não vai dar certo.

O homem dos meus sonhos, quando eu me despeço dele no MSN e digo o meu "fui", me responde com um "au revoir".

E eu abro um sorriso maior do que o dele.

PS - Esse post é apenas uma provocação... Tomara que dê certo...

92. Não vou falar de "Sex and the City"

Com eu tinha as minhas bat-colunas de cinema e gostava bastante do seriado "Sex and the City", não é raro que eu encontre com alguém que me jogue logo a pergunta:

"- E aí Déa, o que achou do filme?"

Essa é a última vez que eu vou emitir minha opinião sobre a bomba: um filme em que a protagonista e dita uma mulher super antenada com moda fashion e com tudo que é "uptodate" (como diria minha amiga Pati Rabelo) devolve um i-phone e pede um "telefone de verdade" é para ser totalmente deletado de minha memória!!!!! Por favor!!
E sabem o que é o melhor do filme? A música "The heart of the matter". Ela aparece no trailer cantada por India Arie, mas no filme só aparecem alguns acordes do início. Ou seja: a única coisa boa do filme (além das bundas gostosas dos caras lá da Califórnia) não aparece no filme... Falando em India Arie, ela bem que tenta e não chega a fazer feio não, mas a versão original da música é de ninguém menos que Don Henley. Ele mesmo! O cara do Eagles. É difícil superar não é?

Eu vi o filme em Brasília, e sai do cinema muito decepcionada, afinal o filme só servia de vitrine para consumimos marcas e grifes. E eu, com minha bolsa kipling e meu óculos RayBan, saí do cinema indignada com o consumismo feminino!

(Como eu sou boazinha, vai aí o original da música com a letra para todo mundo cantar junto.)

"I got the call today,
I didn't wanna hear
But I knew that it would come
An old true friend of ours was talkin' on the phone
She said you found someone
And I thought of all the bad luck,
And all the struggles we went through
How I lost me and you lost you
What are these voices outside love's open door
Make us throw off our contentment
And beg for something more?

I'm learning to live without you now
But I miss you sometimes
The more I know, the less I understand
All the things I thought I knew,
I'm learning them again
I've been tryin' to get down to the Heart of the Matter
But my will gets weak
And my thoughts seem to scatter
But I think it's about forgiveness
Forgiveness
Even if, even if you don't love me anymore

These times are so uncertain
There's a yearning undefined
And people filled with rage
We all need a little tenderness
How can love survive in such a graceless age
And the trust and self-assurance that lead to happiness
They're the very things we kill, I guess
Pride and competition cannot fill these empty arms
And the work they put between us,
You know it doesn't keep us warm

I'm learning to live without you now
But I miss you, baby
The more I know, the less I understand
And all the things I thought I figured out, I have to learn again
I've been tryin' to get down to the Heart of the Matter
But everthing changed
And my heart is so shattered
But I think it's about forgiveness
Forgiveness
Even if, even if you don't love me anymore

There are people in your life who've come and gone
They let you down, you know they hurt your pride
Better put it all behind you, baby; cause life goes on
You keep carrin' that anger, it'll eat you up inside, baby

I've been tryin' to get down to the Heart of the Matter
But my will gets weak
And my thoughts seem to scatter
But I think it's about forgiveness
Forgiveness
Even if, even if you don't love me

I've been tryin' to get down to the Heart of the Matter
Because the flesh will get weak
And the ashes will scatter
So I'm thinkin' about forgiveness
Forgiveness
Even if you don't love me anymore
Even if you don't love me anymore."



(To Chico - The lyrics now has just remind me of the one of Caetano that you sent to me once. But it doesn`t matter witch one you prefer: both are "yours"...)

91. Para Allan

Lá pelos idos de 1999, quando eu me escondia lá em Malta, conheci a música de Shania Twain. Nunca fui de gostar de música country, e por isso não dei muita bola para ela, até que vi os clips... Não dava mais para ignorar aquela mulher bonita cercada que deuses gregos por todos os lados e cantando uma música que se chamava "Man, I feel like a woman!"
Shania não deixa de se "divertir" com os homens pois sabe que todos são infiéis por natureza, e apenas pergunta a eles "whose bed have your boots been under". E segue em frente. Ela é quem liga para o cara e não ao contrário!

Depois que li um pouco mais sobre a vida de Shania, passei a respeitar o trabalho dela, mesmo que ela apareça em um vídeo toda vestida de oncinha... Nada mais brega, mas nem tudo na vida é perfeito mesmo! Mas vamos combinar que não dá para deixar de admirar uma mulher belíííííssma que simplesmente esnoba Brad Pitt! E esnoba porque PODE! Isso é previlégio para seres evoluídos e ela, sem dúvida, faz parte da parcela das mulheres que nem precisam ser bem resolvidas: elas simplesmente são mulheres!
E sabem disto!
PS - Allan, desta vez você não pode reclamar da voz dela...





90. Landslide

I have always liked this song, since when I was frist presented to it, by a close friend. At that time, I had a different perception of this song. Today it means much more. Browsing in the youtube, I just found this video, that it was sang to the father of the singer. I do the same.


PS - I met it with a group called "Fleetwood mac", ages ago....


The lyrics - (Enjoy it!):

"I took my love, I took it down
I Climbed a mountain and tehn I turned around
I saw my reflection in the snow covered hills
till the landslide brought me down

Oh, mirror in the sky
What is love
Can the child within my heart rise above
Can I sail thru the changing ocean tides
Can I handle the seasons of my life

I don't know...

Well, I've been afraid of changing
cause I've built my life around you
But time makes you bolder
Children get older
I'm getting older too

Oh, take my love, take it down
Climb a mountain and turn around
If you see my reflection in the snow covered hills
Well the landslide will bring it down

If you see my reflection in the snow covered hills
Well maybe the landslide will bring it down"

(Respondendo a Allan:)

MOMOOOOOOOOOOOOOOOOO! Se liga! Eu já postei o "Let's do it!". Clica e vai ver.

89. A beautiful day


Essa internet me apronta cada uma... Hoje eu estava lendo o meu poeta contemporâneo predileto (Múcio Góes) e não é que me deparei com uma poesia (linda, é claro) que parece que foi feita de encomenda para minha alma gêmea? Quem conhece Allan sabe que ele é sinômimo de coisas maravilhosas! Então, Momo, mesmo a poesia não sendo de minha autoria, não tem como não dedicar a você...




E te lembrar que voltaremos a Paris... Mais um vez juntos!!!!


"Já quis ser Leminski,
Mallarmé, Baudelaire,
um quadro
em Kandinski,
Macalé, um Pelé,
uma Natasha Kinski,
se fosse mulher;
quem nunca quis,
e quem não quer
ser uma Leila Diniz,
ou Camille Cloudel,
uma Angelina Jolie
com aquela boca,
uma coisa louca!
pois eu já quis
usar Botox,
ser Bono Vox
a beautiful day,
Waly Salomão,
Itamar Assunção,
e até Doris Day.
eu já quis ser Rimbaud,
Alencar, Allan Poe,
qualquer um de Machado,
quis fugir pela África
como o mais procurado;
quis bater em Fidel,
escrever como Gabo,
pra ganhar meu Nobel.
eu já quis clonar,
ser clonado,
ser um super-herói
de brinquedo,
sem ódio, sem medo,
um Chapolim Colorado;
já quis ser ou não ser,
eis a questão,
dentre outras tantas,
ser eu sempre quis,
e nem me importo
em morrer depois dos trinta
num quarto de hotel
de quinta,
mas que seja em Paris."

E que seja ao meu lado, viu Momo?